Dr. Domingos Q. De Paola

CRM i52.106980-2

​- Membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica - SBCP;

- Membro da Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética - ISAPS;

- Membro da Sociedade Americana de Cirurgia Plástica Estética - ASAPS;

- Membro da Academia Americana de Cirurgia Cosmética - AACS;

- Membro do Colégio Internacional de Cirurgiões - FICS;

Siga-nos: 

youtube-512.png

Rua Siqueira Campos, 93 - Sala 605

Ed. Copacabana Medical Center

Rio de Janeiro / RJ - Brasil

Tels : (21) 2256-3768(21) 2235-6013

Whatsapp: (21) 99994-8124 / (21) 97553-1933

domingosdepaola@hotmail.com

Segunda a sexta das 09:00 às 19:00

      Há exatos 30 anos foi feita, no HSE, a primeira lipoaspiração no Brasil. De lá para cá muita coisa mudou, a começar pelo diâmetro das cânulas, a cada dia mais finas, que tornou possível a lipo superficial que conseguia alguma retração da pele. Mas talvez o marco mais importante neste período tenha sido a mudança da técnica de anestesia que transformou a lipo de um procedimento com grande perda de sangue e proteínas (lipo seca) em um procedimento onde se perde apenas sais minerais e muito pouco sangue.

 

      Isto ocorreu devido à técnica de anestesia criada, em 1986, pelo dermatologista americano Jeffrey Klein, onde se injetava um grande volume de líquido junto com o anestésico local diluído diminuindo muito, com isto, as lesões de vasos e nervos. Hoje este procedimento é chamado por diversos nomes Hidro-lipo, Lipo-light, HLP, HLPA, etc. e é largamente utilizado pela grande maioria dos cirurgiões plásticos.

     

      Mas a maior revolução das técnicas de lipoaspiração vem ocorrendo de poucos anos para cá com o advento das lipoaspirações a Laser. Os aparelhos têm evoluído e os comprimentos de onda têm mudado para dar mais segurança ao procedimento. Após ser feita uma lipoaspiração convencional na área a ser tratada o Laser é passado para possibilitar uma maior ou menor retração da pele de determinada região.

Linha do tempo do Pós-operatório

5 dias

Fim do repouso exigente. Uso contínuo da cinta cirúrgica.

7 dias

Volta a vida normal porém ainda edemaciado e com eritemas. Retirada dos pontos.

21 dias

Diminuição do inchaço e manchas roxas.

30 dias

3 meses

Fim do uso da cinta cirúrgica. Liberado praia e ginástica.

Resultado final.